Trilha da Gastronomia realiza primeiras oficinas para os municípios das Vertentes

Nesta quinta e sexta-feira, 9 e 10 de dezembro, o “Trilha da Gastronomia” realizou suas primeiras oficinas. O evento teve início com a realização de capacitações sobre doces, biscoitos e queijo minas artesanal.

Em Alfredo Vasconcelos, os participantes do próprio município e também de Antônio Carlos já receberam a capacitação em produção de doces. Em São Tiago, terra do café com biscoito, participantes de Lagoa Dourada já aprenderam alguns dos segredos para produzirem os melhores e mais tradicionais biscoitos do Brasil. Em Prados, o produtor de queijo minas artesanal, Marciel Morais, já iniciou as oficinas para participantes do município de Coronel Xavier Chaves.

A Jaqueline Aparecida Vale é de Lagoa Dourada e participou da oficina de produção de biscoitos. Ela declarou que a iniciativa foi muito importante para seu desenvolvimento profissional, e serviu como estímulo para empreender na área. “Já trabalhei fazendo pão de queijo, e quero aprender a fazer mais receitas, para abrir meu próprio négócio”, declarou.

O Secretário de Turismo e Cultura de Prados, Gilcimar Santos, está animado com o evento, que promete oferecer oportunidades para os moradores empreenderem novos negócios, ou crescerem em seus empreendimentos. “É muito importante esta iniciativa da Trilha dos Inconfidentes! O intercâmbio municipal gastronômico só fomenta e fortalece mais nossa região. Esta troca de experiências sempre é muito bem-vinda!”, destacou.

A Clélia Soares de Assis é Secretária de Agricultura de Coronel Xavier Chaves, e acompanhou alguns moradores na oficina de produção de queijo minas artesanal em Prados. Ela afirma que a iniciativa é muito importante, e promove uma troca muito rica de conhecimentos. “Um destaque que foi citado hoje é a questão do preconceito que havia com as pessoas da roça, provocando grande êxodo rural. E hoje, esse resgate das tradições está fazendo com que os filhos de produtores se mantenham na área rural, passando de geração em geração, e isso é muito importante”, relatou.

O estudante de engenharia Daniel Maia de Guadalupe, que é morador de Coronel Xavier Chaves e trabalha no setor de agricultura do município, também participou da oficina de queijo minas artesanal, e destacou sua curiosidade nos processos de produção como o principal atrativo para aprender sobre o queijo. “Apesar de ser um queijo artesanal, eu fico pensando onde algum processo de automação pode ser aplicado. É uma oportunidade também de levar esses conhecimentos para a secretaria, pois temos projetos, como a feira na praça, que podem acolher essas experiências , afirmou.

O secretário de Cultura, Turismo, Esporte e Lazer de São Tiago, Bruno Santos, afirma que a iniciativa está sendo de grande valia, por estar divulgando ainda mais a vocação do município para fazer biscoito. “Está sendo muito interessante essa troca de experiência, de outros municípios virem até nós para aprender nosso jeito de fazer biscoito, com um tipo de forno peculiar e ingredientes típicos nossos”, destacou.

Ele também afirma que, da mesma forma, aguarda ansiosamente pela participação dos moradores de São Tiago nas outras oficinas em municípios diferentes, no caso, queijo e cachaça, ambas no município de Prados.

A dona de casa Isabel de Moura Silva é de Alfredo Vasconcelos, e participou da oficina de produção de doces no próprio município. Ela destaca que a iniciativa é muito importante, pois ela poderá começar a trabalhar em casa, uma vez que ela, assim como muitas mulheres, não têm possibilidade de trabalhar fora. “Para nós é um bom negócio, pois podemos trabalhar dentro de casa, e, além disso, ocupa nosso tempo de forma produtiva, inclusive porque, em época de pandemia, não saímos tanto de casa”, relatou.

Marciel Morais é produtor de queijo minas artesanal em Prados, e ministra as oficinas de produção desse verdadeiro tesouro da gastronomia mineira. Ele afirma que está sendo uma experiência incrível de compartilhamento de conhecimentos. “Muita gente acha que não tem nada para aprender, ou não tem nada para ensinar. Quando a gente tem a oportunidade de dividir o pouco que a gente sabe, a gente acaba provando dos dois lados, que temos sim o que ensinar, e, principalmente, o que aprender”, afirma.

De acordo com ele é muito interessante se dispor a conhecer novas pessoas, para passar um pouco do que se sabe, e, a partir do momento em que elas também vêm dispostas a absorver algo para a vida delas, motiva muito a querer ir mais à frente. “Essa troca é honesta, verdadeira, e, com certeza, é o melhor exemplo para explicar o que presenciamos nessas oficinas”, concluiu.

No final de semana, a programação de oficinas será interrompida, e retorna na próxima segunda-feira (13/12), seguindo até o encerramento, no dia 17.

Trilha da Gastronomia

O evento “Trilha da Gastronomia” foi viabilizado por meio da Lei Aldir Blanc, no âmbito do estado de Minas Gerais, com apoio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais; e do Governo Federal, por meio do Ministério do Turismo / Secretaria Especial da Cultura.