EXPOSIÇÃO DO CENTRO CULTURAL UFSJ SOBRE O DESERTO SE ENCERRA NO DOMINGO

Até o dia 17 de novembro de 2019, a Galeria Escada do Centro Cultural UFSJ – Solar da
Baronesa, recebe a exposição inédita de cerâmica contemporânea: Deserto Modelado – a
resistência ressignificada , do artista belo horizontino Henrique Oliveira. A mostra é resultado
de uma pesquisa realizada pelo artista sobre questões geográficas, históricas, ambientais e
culturais em torno de Taos Pueblo, povoado situado no Novo México, dentro da perspectiva
da resistência e do protagonismo indígena no contexto da formação dos Estados Unidos.

A paisagem natural dessa região, junto à cultura e história dos nativos e sua relação de
conflito com os colonizadores europeus, receberam um olhar atento, em especial aos
símbolos da resistência como plantas, arquitetura, costumes e fatos históricos, sendo
assim, ressignificados em peças cerâmicas.

São muitas as relações possíveis que se pode estabelecer entre os processos históricos e
culturais vivenciados nos Estados Unidos e no Brasil, especialmente no que tange à
necessidade de resistência cultural dos povos indígenas de lá e de cá, na nossa
contemporaneidade.

A série apresentada mostra como podemos construir um discurso de
resistência por meio da pesquisa em arte. Por transitar por diversas áreas do conhecimento,
a exposição torna-se muito relevante não somente para amantes das artes, mas para o
público de todas as idades que se interessam por história, geografia e botânica.

Artista
Mineiro de Belo Horizonte, Henrique Oliveira desenvolve sua pesquisa estética influenciado
pela fauna, flora, cultura brasileira e em tudo que estimula um olhar mais demorado. Suas
principais linguagens artísticas são a cerâmica e ilustração. É formado em Design Gráfico e
atualmente reside e cursa o último período do curso de Artes Aplicadas da Universidade
Federal de São João Del Rei.
Trabalhos do artista em:
www.instagram.com/ateliecafeadois

www.facebook.com/ateliecafeadois

Foto e Texto: Centro Cultural UFSJ/Divulgação