Mais votado em Barroso, Luiz Fernando é denunciado por Janot nos quadrilhões que desviaram mais de R$ 3 bilhões

Reportagens do Jornal O Tempo e O Globo. Clique nos nomes para acessar o conteúdo original.

Quatro quadrilhas que, juntas, teriam recebido um valor total de R$ 3.317.820.268,28 em propinas. Essa é a soma de tudo o que o procurador geral da República, Rodrigo Janot, indicou nas quatro denúncias contra 34 políticos de três partidos enviadas ao Supremo Tribunal Federal (STF) nas últimas semanas.

Nas quatro peças acusatórias, Rodrigo Janot pede que os envolvidos devolvam aos cofres públicos um total de R$ 8,7 bilhões, sendo a maior parte devida pela quadrilha do PT no valor de R$ 6,8 bilhões.

O valor atribuído ao PP tem uma discrepância. Na denúncia contra o partido está registrado o valor de 380,9 milhões. Na denúncia contra o PT, a referência feita ao outro partido é R$ 390,8 milhões.

O valor inclui o que o Ministério Público Federal diz ser resultado de crimes de corrupção cometidos pelas assim nomeadas organizações criminosas do PT, do PMDB da Câmara, do PMDB do Senado, e do PP. O PT, que esteve no comando da Presidência da República de 2003 a 2016, responde pela maior cifra: R$ 1,485 bilhão. Em seguida aparece a suposta quadrilha do PMDB do Senado, com R$ 864,526 milhões.

Em terceiro lugar, o grupo comandado pelo atual presidente Michel Temer, com propinas na casa dos R$ 587,1 milhões, seguidos de R$ 380,9 milhões destinados à organização do PP, aliado de todas essas gestões.

Nas quatro denúncias, Janot cita ainda um valor calculado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), como o tamanho do prejuízo causado principalmente à Petrobras, estatal que foi dividida pelos três partidos e alvo de acordos que envolviam pagamentos irregularidades por fornecedores aos núcleos políticos dos três partidos.

Em destaque o nome do deputado mais votado em Barroso nas eleições de 2014, Luiz Fernando Faria, apoiado pela ex-prefeita Eika, recentemente condenada na Máfia das SanguessugasO grupo do Senado inclui o ex-presidente da Casa, Renan Calheiros, além dos senadores Edison Lobão, Romero Jucá, Jáder Barbalho e Valdir Raupp. O ex-presidente José Sarney e o ex-senador e ex-presidente da Transpetro Sergio Machado completam a lista.

O quadrilhão do PP inclui 12 membros do partido, incluindo o líder do governo Temer na Câmara dos Deputados, Aguinaldo Ribeiro e o vice-governador do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles. Além disso, o grupo é formado ainda por Arthur Lira, Eduardo da Fonte, José Otávio Germano, Luiz Fernando Faria (deputado mais votado em Barroso em 2014, apoiado pela ex-prefeita Eika, recentemente condenada na Máfia das Sanguessugas), Nelson Meurer, Benedito de Lira, Ciro Nogueira, Mário Negromonte, João Pizzolatti e Pedro Henry.

Luiz Fernando e a ex-prefeita de Barroso, um dos principais apoios do deputado na região

O PMDB, partido de Temer, é o campeão em número de denunciados nessas quatro acusações. São 14 nomes divididos em dois casos. A lista do chamado “PMDB da Câmara” inclui, além do presidente Michel Temer, os ex-presidentes da Casa, Eduardo Cunha e Henrique Alves, além dos ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, do ex-ministro Geddel Vieira Lima e do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures.

No PT, com oito acusados por Rodrigo Janot no quadrilhão, a lista inclui os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, além dos ex-ministros Antonio Palocci, Guido Mantega, Paulo Bernardo e Edinho Silva, além da senadora e atual presidente da legenda Gleisi Hoffman e do ex-tesoureiro João Vaccari.

Flechadas

Reta final. Todas as denúncias relacionadas às quadrilhas partidárias foram apresentadas por Rodrigo Janot na reta final de seu mandato, gerando uma guerra da classe política com o procurador.