Poda de árvores gera reclamações em Barroso

A Prefeitura municipal de Barroso realizou, nesta semana, a poda das árvores no entorno do cemitério municipal e a iniciativa gerou diversas reclamações no grupo “Reclame Aqui!“, começando pelo ambientalista Geraldo Napoleão Neto, que, através da campanha “Plante uma Árvore”, foi quem plantou as árvores no local no ano de 2002.

De acordo com Geraldo, a pode realizada pela prefeitura foi exagerada, pois acabou com a sombra que as árvores faziam no local. “Podas são necessárias, mas não precisava tirar toda a copa das árvores”, declarou.

Em resposta aos questionamentos feitos pela reportagem do Jornal Primeira Página, a prefeitura afirmou que a poda das árvores foi feita atendendo uma solicitação dos moradores e comerciantes próximos ao cemitério. O serviço foi feito com acompanhamento de um Técnico em Meio Ambiente, que passou todas as orientações. Ainda segundo a prefeitura, “o trabalho ainda não terminou e foi realizado com o objetivo de retirar a carga excessiva das árvores, para evitar qualquer tipo de acidente com as fortes chuvas de vento”.

Plantio das árvores, em 2002

De acordo com uma integrante do grupo, uma das árvores, que aparece toda cortada nas fotos, estava caindo e, por isso, precisou ser cortada. “Como se não bastasse a sujeira e os bichos, ainda tem a questão das raízes estourando
os passeios, além de túmulos estourados por causa das raízes”, declarou.

Outro integrante repudiou o ato. “O
ser humano cortando as árvores, colocando fogo, poluindo está cavando sua
própria sepultura, a hora que acabar as chuvas acabou a água e não
adianta brigar com Deus, pois a parte dele ele está fazendo o bicho homem
que está destruindo”, destacou. 

O barrosense Antônio Claret, em seu perfil no Facebook, postou uma reflexão sobre os prós e contras de uma cidade arborizada. “Toda cidade que se destaca pelo número de árvores “sofre” com uma série de problemas. As pessoas têm que varrer a folhinha, o passeio fica prejudicando, as raízes crescem, a cigarra canta alto, o inseto incomoda, o fruto pesado amassa o carro, a ventania derruba a árvore, etc… A pergunta é: Por que essas cidades não cortam logo todas as árvores para prevenir esses problemas? A resposta é: Porque, mesmo com tudo isso, mesmo com todos os riscos, as vantagens superam, e muito, as desvantagens”, declarou. 

Um dos integrantes do grupo protocolou uma denúncia junto ai Ibama e aguarda resposta. 

Comente e compartilhe esta notícia no Facebook do Jornal Primeira Página!


Leave a Reply