Barrosenses participaram de manifestação em BH

Cerca de 50 pessoas ocuparam a Assembleia Legislativa na tarde desta quarta-feira (7).
Foto: Jornal O Tempo

Servidores das Superintendências Regionais de Ensino do Estado (SREs) e
da Central ocuparam a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) na
tarde desta quarta-feira (7).  Cerca de 50 pessoas estavam no local,
segundo o Sindicato. A greve da categoria começou no dia 27 de julho e já 
dura mais de 70 dias.
 

Mais cedo, por volta das 12h30, representantes dos manifestantes se
reuniram com o presidente da Assembleia, Adalclever Lopes (PMDB). No
encontro, foi discutida uma possível negociação que possa ser
intermediada pelo presidente da Casa. Desde então, os servidores
aguardaram um posicionamento.

Em nota divulgada em uma rede social, a coordenadora-geral do Sindicato
Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE) Beatriz
Cerqueira afirmou: “só sairemos daqui quando conseguirmos a negociação das
SREs e Órgão Central. A ocupação não tem prazo para acabar”.

Os manifestantes reivindicam uma correção da tabela proporcional a 85%
dos vencimentos dos analistas educacional. A categoria também pede para
que as carreiras técnicas fiquem vinculadas à tabela da carreira do
analista educacional e que a tabela do profissional com função de
Inspeção Escolar seja aplicada para todos os analistas educacionais.  Em
nota, o governo informou que os as partes estão em negociação para
buscar o fim da greve. 

Leia a nota do Governo na íntegra:

“Representantes das secretarias de Estado de Governo e de Educação
mantêm diálogos frequentes junto a dirigentes do Sindicato Único dos
Trabalhadores da Educação (SindUte) e das Superintendências Regionais de
Ensino (SREs), com o objetivo de discutir demandas dos servidores. A
atual gestão reafirma a disposição em corrigir distorções salariais
advindas das gestões passadas, independentemente do fato de os
servidores já terem sido contemplados com 31,78% de abono, resultado do
acordo histórico assinado com a educação, que viabilizou o pagamento do
Piso Salarial Profissional Nacional em Minas”.

Informações do Jornal O Tempo 

Participação de barrosenses

Quatro barrosenses, Marcelo Barreto, Michel Carlos Costa, Telma Faria de Oliveira e Darley Giann,
que trabalham em funções administrativas na SRE de Barbacena também
marcaram presença na manifestação. De acordo com Marcelo, o grupo
conseguiu sensibilizar
o governo, que até então se recusava a ouvi-los.

GREVE PODE ACABAR NO DIA 13
 
Os servidores receberam propostas do governo no fim da tarde desta quinta-feira (8) e podem terminar a greve no próximo dia 13.

As negociações foram reabertas após uma reunião entre o presidente da
Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) o deputado Adaclever Lopes
(PMDB), o deputado Rogério Correa e uma comissão representante da
categoria com governador Fernando Pimentel (PT).

Segundo a coordenadora geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em
Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) Beatriz Cerqueira, além do 
reajuste de 16% escalonado em duas vezes iguais (2016 e 2017) para os
Técnicos da Educação e de 5% para Analistas Educacionais (2016), que já
havia sido proposto pelo governo, também foi acertado a criação imediata
de uma comissão de trabalho que vai estudar um novo reajuste de 4% para
Técnicos e outros 5% para Analistas. Outro ponto é a não punição dos
grevistas pelos dias não trabalhados.

Desde quarta-feira (7), os manifestantes fizeram vigília no saguão da
Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) na expectativa de terem
suas reivindicações atendidas pelo governo. 

A greve dos servidores da educação começou no dia 27 de julho e já
completa mais de 70 dias. Uma nova assembleia da categoria está marcada
para acontecer no dia 13 de outubro, às 15h. Os manifestantes vão
discutir e votar se aceitam ou não as propostas apresentadas.

Informações do Jornal O Tempo



Comente e compartilhe esta notícia no Facebook do Jornal Primeira Página!


Leave a Reply