Estrada do projeto expansão foi alterada para preservar árvore em extinção

A araucária se destaca na paisagem pela sua imponência e seu formato diferenciado. Foto / Divulgação

 A exemplo do que foi feita na cidade de Pato Branco, no Paraná, onde uma rua da cidade foi desviada para evitar que uma árvore em extinção tivesse que ser cortada, em Barroso, no projeto de Expansão da Fábrica de Cimento, aconteceu algo parecido. A estrada de acesso à nova portaria teve seu trajeto alterado para que uma araucária, espécie em extinção, fosse preservada, como mostra a foto acima. No projeto original, a estrada passaria exatamente no lugar onde a árvore está.

No caso de Pato Branco, uma araucária foi mantida no meio de uma rua e teve a pavimentação asfáltica desviada. A espécie pertence à família das coníferas (árvores com flores em forma de cones ou pinhas, como os
pinheiros), que são os maiores e mais antigos seres vivos do planeta. A
situação de todo o grupo foi reavaliada, e concluiu-se que 34% das
espécies de coníferas estão ameaçadas de extinção.

Estrada desviada para sobrevivência da araucária

Uma das que correm mais risco é a araucária, ou pinheiro-do-paraná,
classificada desde 2006 como criticamente ameaçada. A espécie teve sua
área de ocorrência reduzida nas últimas décadas por causa da conversão
de matas nativas em áreas de agricultura e silvicultura.

A araucária (Araucaria angustifolia) ou pinheiro brasileiro se destaca das outras
espécies brasileiras principalmente por sua forma original
que dá às paisagens uma característica toda
especial. Presente no planeta desde a última glaciação – que começou
há mais de um milhão e quinhentos mil anos, a araucária,
segundo o engenheiro florestal Paulo Carvalho, da Embrapa, já ocupou área equivalente a 200 mil
quilômetros quadrados no Brasil, predominando nos territórios
do Paraná (80.000 km²), Santa Catarina (62.000 km²) e Rio Grande do
Sul (50.000 km²), com manchas esparsas em Minas Gerais,
São Paulo e Rio de Janeiro, que juntas, não ultrapassam 4%
da área originalmente ocupada pela Araucaria angustifolia
no país.

A árvore araucária produz o pinhão, um alimento muito apreciado no sul do Brasil e também em nossa região. Com um valioso teor nutricional, o pinhão tem sua polpa formada basicamente de amido, sendo muito rica em vitaminas
do complexo B, cálcio, fósforo e proteínas.

Rua desviada em Pato Branco
Foto: Frederico Demário Pimpão (G1)

 

One comment

  1. Boa! A Araucária é a árvore nativa do Brasil que mais gosto. Sempre que ando pela cidade procuro por uma (rsrsrs). Raramente vejo alguma aqui, mas em Barbacena, Antônio Carlos e em outras cidades da região, vejo muitas até. Parece que nessas cidades está havendo uma certa preservação da espécie.

Leave a Reply